Traduções, Artigos, Entrevistas

Desenvolvimento da Série “Ivy”

Introdução

Este artigo fala sobre o desenvolvimento de criaturas (B.O.Ws) através de plantas. Começando por um acidente e depois sendo estudado pela Umbrella Corporation como uma nova possibilidade de criação de armas biológicas. Este arquivo relata informações sobres as B.O.Ws desenvolvidas e como os cientistas avançaram com as pesquisas.


Capítulo 1: O t-vírus em relação as plantas

A base de pesquisas de Arklay Research Facility foi o primeiro de muitos laboratórios da Umbrella criados para pesquisa e desenvolvimento de armas biológicas. Os cientistas estavam começando suas pesquisas com o t-vírus (Tyrant vírus) para através dele desenvolver novas armas biológicas.

Albert Wesker começou a estudar a possibilidade de uma infecção secundária pelo t-vírus.

Eu descobri que ele pode possuir hospedeiros de quase todas as espécies. Não somente mamíferos, mas também plantas, insetos, peixes e que a maioria das espécies têm potencial de multiplicar e espalhar o t-vírus.
Suponha que fossem plantas. Poderia parecer inicialmente que a possibilidade de espalhar o vírus era pequena, já que plantas não se movem.
Mas e o pólen?

Trecho retirado do Wesker’s Report 2.

Inicialmente as plantas infectadas não seriam B.O.Ws capacitadas para batalhas, elas apenas espalhariam os vírus por seu pólen. Então para que plantas, seja quais fossem para se tornarem B.O.Ws, teriam que passar por alterações genéticas com o modelo “Hunter”.

Mas não podemos esquecer que o vírus inicial (Progenitor vírus) foi descoberto em uma flor. O t-vírus, pode ainda carregar características do Progenitor vírus que o possibilita ter uma infecção muito mais forte e estável em plantas.

 Capítulo 2: Plant 42

Foi no ponto de observação 42 em 17 de maio de 1998 que através do vazamento do t-vírus que ela surgiu. Esta foi descoberta e relatada 4 dias depois pelo cientista Henry Sarton em um de seus relatórios.¹

Foi esse curto período de tempo que a planta precisou para crescer rapidamente graças ao efeito do t-vírus. Ela conseguiu crescer e se alastrar por dois andares inteiros através dos dutos de ar. Chegando ao Aqua Ring, onde entrou em contato com a água misturada com substâncias que possibilitaram ainda mais o seu crescimento.

As substâncias encontradas na água do Aqua Ring, deram a possibilidade da Plant 42 crescer com mais velocidade, mas mesmo assim o t-vírus agiu na planta de tal forma que a possibilitou crescer mesmo sem as substâncias que ela absorvia na água pelas suas raízes.

Preocupados com isso os cientistas da Umbrella criaram uma substância que ao entrar em contato com a Planta a enfraqueceria, esse produto recebeu o nome de “V-JOLT”.² ³

Mesmo com certo grau de inteligência, a Plant 42 ainda não estava no nível de uma B.O.W. padrão, por não entender e seguir ordens e por não conseguir se locomover.

Os dados obtidos a partir da Plant 42 foram posteriormente analisados por pesquisadores da Umbrella, que decidiram então desenvolver uma B.O.W. com base em plantas. Este projeto levou ao desenvolvimento da Plant 43 (ou “Ivy”) e da Ivy + YX.

Lembrando que os cientistas não administraram o t-vírus na Plant 42, portanto ela não é uma B.O.W. e sim uma infecção secundaria criada através da infecção de uma planta com o t-vírus.

Uma infecção secundaria muito parecida com a Plant 42 também aconteceu no laboratório de Raccoon City, por não haver nenhum relatório ou coisa parecida falando sobre a planta, pode-se dizer que ela foi infectada pelo t-vírus e começou a crescer durante o surto do vírus no laboratório e em Raccoon.

Esta também usou as tubulações de ar para crescer, chegando até a área dos dormitórios do laboratório. Essa criatura tem muitos pontos parecidos com a Plant 42, já que também usa seus tentáculos para atacar suas presas e cresceu de forma muito rápida.

Essa planta não parece atacar para poder se alimentar, e sim para sua própria defesa.

Plant 42 – (Resident Evil 1, Remake, Deadly Silence)

Classification

Secondary Infectant: “Plant 42”

Criada acidentalmente durante o surto de t-vírus, o t-vírus concedeu a Plant 42 um aumento de inteligência, permitindo-lhe agir por vontade própria para preservar sua própria vida. Embora não possa mover seu tronco, ela é capaz de lançar tentáculos para apanhar a presa e drenar nutrientes de seu sangue. Ela também gerou muitos mecanismos de autodefesa para proteger-se de possíveis invasores, incluindo uma seiva ácida a partir de seus tentáculos e pétalas. A principal fraqueza da Plant 42 está em seu núcleo onde ela tem cascos em forma de grandes pétalas que a protegem. Como todas as plantas, é extremamente fraca contra a exposição ao fogo.

NOTAS DE RODAPÉ

¹ – Relatório da Plant 42

Quatro dias se passaram desde o acidente. A planta no ponto 42 está a crescer em um ritmo impressionante.

Embora haja muitos aspectos desconhecidos sobre esta planta, sabemos que, em comparação com o outro grupo de plantas, o t-vírus tem tido efeito muito mais forte nessa aqui.

O t-vírus tem drasticamente transformado a anatomia do hospedeiro, bem como o seu tamanho. Olhando para o seu estado atual, é difícil imaginar a sua aparência original. Em parte alguma do mundo você vai encontrar algo semelhante.

Nós também constatamos que a Plant 42 tem duas principais fontes de nutrientes necessários a sua sobrevivência. Uma fonte é através da sua raiz. De alguma forma ela tem se enraizado no laboratório subterrâneo.

Imediatamente após o acidente, um cientista enlouqueceu e destruiu o Aquário. Desde então, o subterrâneo ficou como uma piscina. Existe uma grande possibilidade de que um dos produtos químicos se misturou à água e está promovendo um rápido crescimento da Plant 42.

No entanto, precisamos ainda determinar a substância química específica.

Na forma de uma lâmpada é como o corpo da Plant 42 é visto pendurado no teto do primeiro andar. Temos certeza que ela usou o duto de ar para chegar ao primeiro andar. Numerosos e longos tentáculos de vinha saem do bulbo.

Acreditamos que as videiras são o segundo meio de adquirir seus nutrientes. Quando a Plant 42 sente a presa, ela usa seus tentáculos para capturar suas presas. Após conseguir, ela suga o sangue de suas presas através deles.

Nós também notamos que ela tem alguma inteligência. Quando se captura a sua presa ou quando está inativa, suas vinhas ficam em torno da porta para impedir possíveis invasores.

Infelizmente, vários dos nossos cientistas já foram vítimas da Plant 42. Quando ouvimos as histórias dos sobreviventes, todos eles observaram uma coisa em comum:

Quando seus cascos se abrem revelando seus órgãos internos, ela tem tendência a tornar-se mais agressiva.

Uma testemunha relatou que era como se estivesse tentando proteger-se. O motivo dela se comportar desta forma ainda é desconhecido.

21 de maio de 1998

Henry Sarton

(Relatório dos jogos, Resident Evil 1, Remake e Deadly Silence)

² – Experimento do Laboratório de Química Orgânica

As semelhanças nas características celulares da planta de crescimento acelerado infectada pelo t-vírus foi relatada em documentos anteriores. Porém, enquanto repetimos estes experimentos, um fato interessante ficou claro.

Nós descobrimos que um elemento químico da família UMB, UMB N° 20, contém um componente que é tóxico às células da planta.

Nós demos um novo nome ao UMB N° 20: V-JOLT. Se os cálculos estiverem corretos, quando o V-JOLT é aplicado diretamente à raiz da planta, toda a planta deve estar morta em 5 segundos.

O V-JOLT pode ser feito simplesmente misturando os elementos químicos UMB e VP numa determinada proporção. Porém, um cuidado especial deve ser tomado quando manuseando estes elementos UMB. Sabe-se que eles podem gerar gases tóxicos se mal manejados.

As características de cada elemento UMB são as seguintes:

UMB N° 3: vermelho

UMB N° 6: amarelo

UMB N° 7: verde

UMB N° 10: laranja

VP-017: azul

UMB N°20: V-JOLT: marrom escuro

(Relatório dos jogos, Resident Evil 1, Remake e Deadly Silence)

³ – Memorando do Laboratório

UMB Nº 20 -> UMB Nº 3 + VP-017

* Quando misturados, assumem coloração avermelhada.

* Um poderoso pesticida. Muito efetivo contra plantas. Manuseie-o cuidadosamente.

(Relatório do jogo, Resident Evil Outbreak 1)


Capítulo 3: O desenvolver da Ivy


Desenvolvida por pesquisadores da Umbrella, no laboratório subterrâneo de Raccon City (Underground Research Facility), essa criatura criada através de dados coletados da Plant 42 é chamada de “Plant 43”.

Essa criatura criada com a administração do t-vírus em plantas consegue se locomover, mas não tem inteligência suficiente para seguir ordens. Os cientistas usaram a planta “Sarracenia” da família “Sarraceniaceae” para poderem criar o modelo Ivy.¹

“Umbrella Top Secret File
Somente Para Seus Olhos
Este arquivo contém os dados de B.O.Ws criados pela contaminação por vírus que ocorreram durante os riscos biológicos. O primeiro risco biológico foi causado pelo vazamento de t-vírus no laboratório Arklay em 11 de maio de 1998. A segunda foi a de risco biológico em larga escala em Raccoon City, que aconteceu quatro meses depois. Embora não tenha sido confirmado ainda,  podem haver outras B.O.Ws além das listadas abaixo.
Os dados para aqueles serão arquivados quando estiver pronto.
[…]
BOW FILE # 4: Ivy
B.O.Ws que são criados a partir de plantas. Eles podem mover-se por sua própria vontade, usando os vapores inalados através de sua pele. Cuidado com os seus tentáculos que são usados como chicotes.
Procedimento tático:
Como o fogo é letal para eles, um lançador de granadas é uma arma muito eficaz.”

Trecho retirado do file “Umbrella Top Secret File”, Resident Evil: Survivor.

Essas criaturas conseguem absorver no ar substância para sua sobrevivência, e assim essas criaturas ao entrarem em contato com o gás P –Épsilon² sofreram mutações. Essa espécie era agora venenosa. Sendo capaz de emitir gases venenosos. Esse modelo foi nomeado de “Poison Ivy”.

” Poison Ivy
Sua forma é essencialmente a mesma que a da Ivy padrão, só que foi exposto ao gás P-Épsilon, tornando a sua flor vermelha e dando-lhe propriedades venenosas. É capaz de emitir gases venenosos.”

Trecho retirado do Livro “Resident Evil Archives”.

Ela seria mais tarde melhorada em seu modelo “Ivy + YX”.


Planta 43 ou “Ivy” – (Resident Evil 2, The Darkside Chronicles)

Classification

B.O.W. Model: Plant 43 “Ivy”

Base Organism: Green Pitcher Plant

Kingdom: Plantae

(Unranked:) Angiosperms

(Unranked:) Eudicots

(Unranked:) Asterids

Order: Ericales

Family: Sarraceniaceae

Genus: Sarracenia

Species: S. oreophila

O projeto das plantas 43 foi baseado na planta 42, seu DNA foi copiado da planta 42. A Umbrella queria criar uma B.O.W. mais adaptada ao meio em que fosse viver, essas criaturas são capazes de absorver o vapor de água no ar para sobreviver, essa habilidade também os torna suscetíveis à absorção de substâncias nocivas, tais como gases no ar, e possuem a capacidade de circular livremente. Suas pernas são como raízes e sua cabeça tem uma forma de flor. Seu desenvolvimento permitiu herdar as capacidades de sanguessuga do Plant 42. Elas atacam com suas vinhas agarrando suas presas, podem também atacar vomitando enzimas digestivas em suas vítimas quando elas estão muito longes. Elas são criaturas bem lentas. São plantas insetívoras e, portanto, depende de uma combinação de vapor de água, fotossíntese e se alimentam de insetos e pequenos animais, a fim de se sustentar. O ponto fraco dessas criaturas é o contato com o fogo.


Poison Ivy – (Resident Evil 2, The Darkside Chronicles)

Classification

B.O.W. Model: Plant 43 “Poison Ivy”

Base Organism: Green Pitcher Plant

Kingdom: Plantae

(Unranked:) Angiosperms

(Unranked:) Eudicots

(Unranked:) Asterids

Order: Ericales

Family: Sarraceniaceae

Genus: Sarracenia

Species: S. oreophila

Essa espécie diferente sofreu mutação com o gás “P-Épsilon”(P-∑). Com a mutação ela teve a sua coloração avermelhada e a capacidade de produção de veneno ácido. Tem as mesmas características que a Ivy original, atacando e se alimentando da mesma forma. Seu ponto fraco também é o fogo.


NOTAS DE RODAPÉ

¹ – Foto da flor “Sarracenia”:

² – Relatório de Investigação do gás P- Épsilon

-Este relatório requer atenção imediata-

O gás P- Épsilon se provou capaz de incapacitar quaisquer B.O.Ws (Armas Biológicas Orgânicas). Sendo assim, foi designado o uso de emergência caso alguma B.O.W. escape. Relatórios baseados em informações coletadas durante incidentes anteriores apontam seu potencial para efeitos colaterais negativos.

O gás P- Épsilon provou enfraquecer as funções celulares das B.O.Ws. No entanto, se exposto repetida ou prolongadamente, resultarão no surgimento de anticorpos adaptados ao agente.

Mais tarde, em algumas espécies foi observado que o gás P- Épsilon era absorvido como fonte de alimento e eram extraídas toxinas posteriormente usadas contra qualquer coisa considerada ameaçadora.

O uso do gás P-Épsilon deve ser rigorosamente limitado apenas a casos extremos.

Nós suplicamos para que as autoridades revejam o desenvolvimento do gás P- Épsilon. Nós gostaríamos que essa reavaliação acontecesse imediatamente.

2º Sala R&D / Equipe de Segurança

(Relatório do jogo, Resident Evil 2)


Capítulo 4: Modelo YX


Após a queda da Umbrella Corporation seus cientistas continuaram trabalhando de forma ilegal no mercado negro. Seus trabalhos eram exclusivamente melhorar as B.O.Ws criando novos modelos para deixarem elas preparadas para serem vendidas para governos interessados em armas biológicas.

Uma dessas B.O.Ws que foram melhoradas foi a Ivy, onde os cientistas trabalharam em seus pontos fracos que era a lentidão e a capacidade de se acostumar com os diferentes climas.

Para terminar com a questão do costume climático, os cientistas trabalharam em várias espécies de plantas, onde cada espécie já está acostumada com um clima da área onde é encontrada, uma delas foi a flor “Heliamphora”[color=darkred]¹[/color] da família “Sarraceniaceae” que é otimizada para climas quentes e úmidos, essa é uma planta insetívora sua espécie é nativa da América do Sul.

Nesse novo modelo os cientistas trabalharam de forma parecida dos modelos Hunters, onde eles uniram os genes de seres humanos com o genoma de plantas juntamente com a administração do t-vírus. Dessa forma a B.O.W. adquiriu traços humanos como, suas pernas e alguns dentes.

Outro problema era a lentidão dessas criaturas, que foi resolvido com esse trabalho de genética da união de genes humanos, formando pernas nessas criaturas, que a possibilitaram de se mover e correr com muita facilidade comparada com o modelo anterior.

Essa criatura foi considerada uma B.O.W. dentro dos padrões, portanto foi colocada a venda no mercado negro, onde algumas foram compradas por Javier Hidalgo para servirem como “guardas” na sua propriedade.


Ivy + YX – (Resident Evil The Darkside Chronicles)

Classification

B.O.W. Model: “Ivy +YX”

Base Organism: Marsh Pitcher Plant

Kingdom: Plantae

(Unranked:) Angiosperms

(Unranked:) Eudicots

(Unranked:) Asterids

Order: Ericales

Family: Sarraceniaceae

Genus: Heliamphora

Species: H. ionasii

São plantas mais agressivas que as Ivys comuns, mas seus métodos de ataque são idênticos às da Plant 43 (Ivy), em alguns casos elas cospem suas enzimas digestivas em suas presas. Embora sua aparência seja semelhante à da Plant 43, este Ivy tem uma aparência muito mais humanóide, indo tão longe como tendo visivelmente pernas humanas. Foi otimizado para climas quentes e úmidos. Porque é à base de plantas bem adaptadas a climas temperados. Seu ponto fraco ainda é o fogo.


NOTAS DE RODAPÉ

¹ – Foto da flor “Heliamphora”.


Capítulo 5: Infecções secundarias


Algumas outras plantas fora da série de desenvolvimento Ivy estiveram em contato com t-vírus durante o incidente em Raccoon. Cada planta infectada de espécies diferentes mostrou uma forma diferente da manifestação do vírus no seu hospedeiro.

Elas são todas infecções secundarias.

Nesses modelos, o t-vírus causou alguns fatores já apresentados em planta anteriormente, esses fatores são:

  • Crescimento descontrolado. (Esse não esteve presente em todas as espécies)
  • Aumento da agressividade.
  • Aumento de inteligência.

Essas infecções tiveram seu foco em áreas como o zoológico da cidade e fora da cidade na área das montanhas, onde existe uma diversidade de espécies de plantas.

O aumento de inteligência (como já apresentado antes na Plant 42) foi novamente visto nessas infecções e se mostraram ainda mais fortes. Um exemplo muito claro é que certas plantas começaram a fazer um processo de simbiose com outros seres infectados para poderem assim se locomover, esse aumento de inteligência em outros casos fez com que as plantas virassem grandes predadores, fazendo “armadinhas” para presas.

As infecções secundarias vistas fora da cidade cresceram até tomarem este grande prédio hospitalar e uma cabana próxima do local que suas vinhas alcançaram depois de seu crescimento gigantesco, nesses locais essas plantas infectadas prendiam e matavam suas presas.¹


Monster Plants – (Resident Evil 1, Remake, Deadly Silence)

Classification

Secondary Infection Bio-Organic Weapon: “Monster Plant”

Visto primeiramente durante o surto viral do t-vírus na Mansão Spencer (Arklay Research Facility). Essas plantas infectadas com o t-vírus cresceram na estufa onde entraram em contato com a água infectada no chafariz central. Suas vinhas desenvolveram inteligência e se alastrou ao seu redor.

Esse tipo simples de Infecção em plantas foi vista depois no Jardim Zoológico de Raccoon durante o surto de Setembro, muitas vinhas foram infectadas dentro do viveiro do zoológico. Essas plantas não têm a capacidade de se alimentarem de outros seres vivos, mas ainda sim apresentavam uma grande agressividade atacando quem chegasse perto delas.


Rafflesia – (Resident Evil Outbreak 2)

Classification

Secondary Infection Bio-Organic Weapon: “Rafflesia”

Base Organism: Rafflesia arnoldii “corpse flower”

Category: Plant / Rafflesia

Kingdom: Plantae

Division: Magnoliophyta

Class: Magnoliopsida

Order: Malpighiales

Family: Rafflesiaceae

Genus: Rafflesia

Species: R. arnoldii

A flor Rafflesia² passou a florescer durante o surto do t-vírus em setembro de 1998. A planta originária da floresta tropical da Indonésia é apelidada de “flor cadáver” pelas tribos nativas, devido ao cheiro  que dela se desprende. Essas plantas infectadas usam esse cheiro que se alastra para poder atrair outros seres infectados.


Green Zumbi – (Resident Evil Outbreak 2)

Classification

Secondary Infection Bio-Organic Weapon: “Green Zombie”

Base Organism: Human & Plant

Esse tipo de zumbi sofreu uma simbiose com uma planta infectada pelo t-vírus. Eles têm os genes da planta, permitindo a mutação da cor da pele, que fica verde e o crescimento de flores pelo corpo. A planta infectada só usa o corpo como meio de se propagar. Esse zumbi usa o veneno das plantas como arma, além de atacar das formas normais de um zumbi. O ponto fraco dessa criatura é a cabeça, onde existe menos capacidade de regeneração das células e o fogo.


Evil Shade – (Resident Evil Outbreak 2)

Classification

Secondary Infection Bio-Organic Weapon: “Evil Shade”

Base Organism: Unknown Plant

Parecida com a Planta 42, a Evil Shady foi uma planta que sofreu mutação graças ao t-vírus e cresceu gigantescamente, seu crescimento foi formado de forma independente ao do “Dorothy”. Ela tem grandes bolbos laranja que cresceram nas vinhas da planta. Sua forma de atacar as suas vítimas é expelindo nuvens venenosas que essa planta têm a capacidade de produzir.  Como o resto das criaturas da sua espécie seu ponto fraco é o fogo.


Dorothy Lester – (Resident Evil Outbreak 2)

Classification

Secondary Infection Bio-Organic Weapon: “Dorothy”

Base Organism: Unknown Plant

Dorothy Lester tinha sido vítima de uma doença terminal e para tentar salvá-la os médicos conseguiram amostras do t-vírus de modelo (T-JCCC203) para usar como remédio. No começo o vírus deu resultados positivos, mas ao decorrer do tempo Dorothy foi piorando e se tornou um zumbi, que sofreu um processo de mutação, como as várias espécies de plantas existentes no local onde ela estava (esse processo é parecido com o do Botanic Zumbi, mas ao contrario dele, o zumbi se juntou a planta para sobreviver, enquanto que no Botanic Zumbi, a planta infectada procura um zumbi para poder se propagar). Ao longo do tempo ela se tornou uma planta gigantesca que ataca com suas várias vinhas agarrando suas vítimas e as consumindo pela sua fenda que serve como boca, ela é muito parecida com a Plant 42 se diferenciando na parte que não usa venenos contra suas vítimas, ela também ataca usando seus tentáculos. O seu ponto fraco é o fogo.


NOTAS DE RODAPÉ

¹ – flor Rafflesia

² – Caderno do botânico

15 de março

Mal posso esperar minha surpresa com a descoberta desta cabana abandonada. As fortes vinhas… As flores tropicais gigantes… Eu estava convencido de que descobri uma nova espécie.

18 de março

Rick e eu decidimos acampar bem aqui para que possamos começar a pesquisar e coletar amostras. É imperativo que este local permaneça secreto.

18 de março

Isto não é bom. As plantas parecem possuir vontade própria. Elas se movem como se fossem controladas por uma inteligência. Elas bloquearam a única porta da cabana.

20 de março

Não há como sair deste lugar. Se necessário, posso usar meu telefone via satélite como último recurso. Temos uma semana de comida restante. É melhor esperar por enquanto.

Rick reclama que pode sentir uma presença humana aqui. Ele parece estar alucinando. Enquanto isso, eu derrubei meu telefone e o quebrei. Não me importo mais com as espécies de plantas. Só quero sair daqui.

Aqui há uma sala que parece ser uma farmácia. Encontrei um tanque cheio de medicamentos ou elementos químicos. As vinhas ao redor dele se murcham e se deterioram.

Há uma protuberância em formato de maçaneta em uma parte que está presa à parede. É mais macia que outras partes da planta. Usei uma seringa para injetá-la com os remédios. Funcionou! Agora podemos sair daqui!

Rick está morto.

Ele foi assassinado.

Quem é aquele louco?

Por que ele está nos atacando?

Bianca, Jessie.

Por favor, perdoem seu pai por morrer antes de vocês. Eu sempre as amarei.

(Relatório do jogo, Resident Evil Outbreak 2)


Capítulo 6: t-Veronica vírus em relação às plantas


Esse vírus foi criado por Alexia Ashford através da união do vírus Progenitor com um vírus antigo encontrado dentro do DNA de uma formiga rainha e com o DNA de plantas. Como dito antes, o Progenitor foi descoberto em uma flor, já o t-Veronica vírus foi criado através desse vírus e do DNA de plantas, o que possibilita o vírus ter uma grande estabilidade aos infectar plantas.

Em seus experimentos Alexia testou o vírus em formigas, que depois criaram um grande “formigueiro”, que também é chamado de Alexia-Pod. Essa é uma planta que acabou sendo infectada pelo t-Veronica vírus tendo relações simbióticas com Alexia, possibilitando Alexia controlá-la, e assim manipular seus tentáculos para atacar suas vítimas. Essa habilidade de controle podia ser realizada com qualquer distancia entre Alexia e os tentáculos.

Essa relação de estabilidade entre o vírus e plantas foi visto também em uma infecção secundaria, onde o vírus foi usado para reanimação de Manuela Hidalgo e posteriormente infectou uma planta que estava próxima a mulher. Essa planta foi cultivada em uma estufa por Javier Hidalgo onde sofreu uma mutação em seu tamanho, ela não teve nenhuma outra mutação negativa, até o momento em que Javier deixou a planta comê-lo para que a mesma sofresse mutação. Desta mutação surgiu o V Complex.


Tentacle – (Resident Evil Code Veronica X, The Darkside Chronicles)

Classification

Secondary Infection Bio-Organic Weapon: “Tentacle”

Base Organism: Unknown Plant

Tentáculo do Alexia-Pod. Ele é controlado por Alexia e ataca as vítimas que ela deseja. Os tentáculos podem atingir suas vítimas a quilômetros de distância, sempre aparecem separadamente e são muito fortes em seus ataques, podendo machucar seriamente suas vítimas com facilidade e também podendo cavar e quebrar paredes para chegarem aos seus alvos.  Estão sempre se movimentando, o que dificulta as chances de se atingir. Quando o tentáculo sofre um grande dano ele se debate e se retrai para o buraco de onde saiu.


V Complex – (Resident Evil The Darkside Chronicles)

Classification

B.O.W. Model: V Complex

Base Organism: Veronica Plant + various

Criado da mutação entre a Veronica Plant e Javier Hidalgo esta criatura sofreu mutação até ficar com um tamanho colossal. Ela ataca com suas patas dianteiras e com criaturas voadoras que ela pode produzir através do seu abdômen. Esta criatura é capaz de espalhar seus poros com extrema facilidade, transmitindo assim o t-Veronica vírus para todas as plantas e animais ao seu redor. Ela poderia espalhar o vírus por todo ecossistema da terra em apenas dias. O ponto fraco dessa criatura é fogo.


Fontes:

Sites usados:

Project Umbrella

Resident Evil Wiki

Resident Evil Center

Fotos:

Orkut

Livros:

Livro “Resident Evil Archives”

Outros:

“Wesker’s Report II”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s